sábado, 27 de agosto de 2011

Ich bin ein Berliner

Cuca e Medusa vão às compras a Berlim. Também há a música clássica, os caliços do muro, o meu Caravaggio preferido, três ou quatro ícones de arte nova, etc. Mas isso são meros álibis que escondem o verdadeiro escopo da peregrinação: comprar coisas, passear nas ruas e jantar nos restaurantes da moda.



A cidade protestou com carros incendiados e anúncios de uma queda na temperatura na ordem dos catorze graus.



Claro que nós somos criaturas míticas e não é um holocaustozinho de faz de conta que nos vai impedir de ensinar umas coisas sobre capitalismo a esses ex-comunistas da treta.



Começaremos pelo capítulo do consumo.



sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Nas ruínas de um sanatório

- Quero o meu carpaccio sem rúcula.
- Mas tu gostas de rúcula.
- Gosto? Nesse caso, devo ter enjoado.
- Desde quando é que usas vestidos tão curtos?
- Não é um vestido, é uma camisola. Limão. Quero muito limão.
- Não deverias usar alguma coisa por baixo?
- Talvez. Vesti-me à pressa. Estou com fome.
- Nem pareces a mesma. O teu ar alienado começa a irritar-me.
- Por favor, não insista nessa falsa familiaridade. Já lhe expliquei que não tenho nenhuma memória de si.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

20x40x55

Medusa joga tetris com o demónio. é óbvia a vantagem do demónio, pois está claro. ele joga no nível 9 e eu já não jogo há mais de 15 anos. as peças caem a um ritmo tal que nem as consigo virar para tentar encaixar.

nunca me passou pela cabeça não despachar malas. nunca fiz isso. e tenho medo.

“no fundo da mala, estenda os jeans abertos e deixe as pernas de fora; vá colocando as peças de roupa aberta… blá blá blá; e termine dobrando as pernas dos jeans em sentidos opostos por cima de tudo, o que impedirá que as peças se amarrotem…”
primeiro, queria levar dois jeans. aparentemente, não posso.
segundo, os meus jeans não são dos que as têm as pernas “em sentido oposto” – o que vem a ser isto??? tenho pouco jeito e paciência para charadas, e estas instruções de “comu fazê uma mála dji cabini seim istrés” devem ter sido escritas por algum torso – daí os jeans terem características contorcionistas que os meus não têm.
resultado da solução encontrada: as fotos vão retratar a viagem de uma personagem de banda desenhada que vive alegremente durante setenta e cinco anos com a mesma roupa e ainda faz sucesso na parada das 16 horas da EuroDisney. é tudo conjugável, leia-se, não passo a terceira cor. salvo o vestido para ir jantar: cuja cor é inegociável.

tetris. com os pares de sapatos. não vale a pena ir sem levar um par de saltos para ir jantar. também inegociável.

de soslaio, a minha mala trans-atlântica – a MINHA mala. onde cabem três lobos da alsácia adultos e dois saxofones. todos juntos. esta mala tem dois cabides lá dentro, onde habitualmentre viajam, pelo menos, dois blazers. DOIS CABIDES. é só para terem uma ideia do espaço de bagagem a que estou habituada.
a temperatura máxima local vai descer 14 graus no dia da nossa chegada. não preciso explicar o que isso significa em termos de roupa.

sem camisa de noite. sem bras.

necessaire: desde que a indústria de aviação resolveu inverter, digo, revogar o mecanismo do ónus da prova, somos todos MacGyvers capazes de fazer explodir um avião com uma mistura de foundation com contour des yeux.
encontrei os frascos. neste momento em que escrevo, estou a fazer os papelinhos para o sorteio dos líquidos que não vou poder levar. isto, obviamente, por não conseguir decidir. de seguida, ainda vou pesquisar na net se existe algum método caseiro de solidificação de cosméticos. é que para sólidos não há o limite.

só para me satisfazer, vou tentar passar com uma ameaçadora garrafa plástica de 50ml de água do Luso na mala. palavra que vou. se passar, para a próxima subo a parada para o meu frasco de 75ml de perigoso desmaquilhante de olhos bifásico.

objectos pontiagudos. os brincos contam…? contenção ortodontica nocturna: inegociável. já não possuo a prescrição médica. mas não andei dois anos a sonhar com a trinca na maçã da Branca de Neve para arruinar o meu tratamento dentário.

não me pressionem… deve haver ajuda sobre como ultrapassar tudo isto no site da Al-Qaeda.

*********

Um quadro dentro do qual passar a noite.


quarta-feira, 24 de agosto de 2011

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Tatuagens III

Alice sabe que não deve voltar ao país das maravilhas. Mas a mágica aguardente de medronho pesa-lhe no bolso do vestido.

Telegrama

De regresso Lisboa. Curada espírito mas cansada corpo.
Pronta para Berlim.
Beijos

p.s. crianças inteiras e devolvidas

domingo, 21 de agosto de 2011

sábado, 20 de agosto de 2011

o fim das mudanças

foi injusta a arriba que escondia a praia em meia-lua. não aceitei e fugi em jejum. a minha praia não é assim. mas entendi. a luz do fim de tarde naquela deve ser mais dourada. tenho este feitio intragável de ver algo positivo em tudo o que acontece e em tudo o que é. isto por ser calculista.

na pequena ladeira de chegar a casa onde voltei a ser visita.
neste tempo todo… eu desejei tanta coisa. que já não fizesse tanto calor às 18h57. que o dia viesse. que os jacarandás não florissem tanto. que o Domingo acabasse depressa. que estivesses sentado no passeio a fumar; à minha espera. que fosse Natal. que a chuva se aguentasse nas nuvens só até eu meter a chave na fechadura – e a ponta dos ciprestes a rasgá-las só para me irritar. que deixassem de me chamar como ele me chamava.

ele podia ser o empregado de mesa da cervejaria onde jantei esta noite. tem pinta de empregado de mesa, sabes? aquele que grita ao balcão pelos bifes só pela parte da vaca de onde foram talhados, acrescentando-lhes o sobrenome de “mal” ou “bem” passado. imagina a cena… imagina lá. e dirias, convencido: ele seria muito feliz.

o que aconteceu para tudo virar do avesso de um dia para o outro?

não acredito na tua felicidade.
não por nada em especial, apenas porque eu sei que precisas de não ser feliz. para poder fantasiar as coisas, as pessoas. vais fazer tudo de novo. aceita. é normal.

não tenho rancores, salvo alguns de mim mesma e que não posso expor aqui.

desconfio. aliás, tenho a certeza. infelizmente, é sempre assim.
sabes, tenho um amigo a quem os dias o enfadam. a mim, engulham-me.

sou frágil.
mas és tu que dormes com um olho aberto.

descansei bem a noite passada. pouco, mas bem.
pena ter estado tão escuro. que eu gosto de conversar a fazer sombras à lua. foi para enganar a memória, eu entendi. que os olhos decoram melhor e mandam nos outros sentidos.
tu lembras-te do que acontecia quando os nossos olhos? os nossos olhos eram.

amanhã fico na cama. doente. só me levanto para ir para a praia. e espero que chova fininho.

ando desesperadamente a precisar que os meus dias não sejam tão felizes. tenho mesmo que voltar para casa.
só quando se está mesmo muito magro se percebe que as costelas começam logo abaixo do pescoço.

vou salvá-lo. saiam da frente, por favor.

hoje trouxe de Lisboa o meu último vestido.
preciso descansar.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Tia...Tia...Tia

Ter uma família, preferencialmente numerosa e hiperactiva, percebo agora, é, não apenas a melhor cura possível para a nostalgia, como o único antídoto contra o existencialismo. Desconfio, até, que foi unicamente para esse efeito que as inventaram.
Não estou a falar de amor, mas da eficácia dos trabalhos forçados no tratamento das doenças do espírito.
Desde as oito da manhã, nos dias melhores, até à meia-noite:
C - deixa-me dormir, deve ser de madrugada.
- quero ir para a praia.
C -come os cereais, vá.
- quero levar a bola e as raquetes e o colchão e uma baliza e uns baldes e…
C - não há espaço na praia.
- … e o outro colchão em forma de golfinho e a playstation e…
C - não atires areia para as pessoas. Põe protector solar. Não te afogues. Não fiques na água até estares roxo.
- quero uma bola de Berlim.
- e eu quero uma bolacha americana.
- quero antes um gelado.
C - deixam-me ler um bocadinho?
- tenho xixi.
C - vistam-se para irmos almoçar. Vistam-se para irmos almoçar. Vistam-se para irmos almoçar.
- tenho fome.
- temos fome.
C- está quase.
- não gosto desta marca de sumos. Quero outro tipo de pão. Aquele lugar era o meu.
C - comam também as batatas.
- quero jogar bingo.
- Não. Bullshit.
- ela fez batota.
- era a minha vez de rodar a tômbola.
C - Não, ainda não podem ir à piscina.
- vem connosco para a água. Vem connosco para a água. Vem connosco para a água.
C - não molhem as pessoas. não gritem. Não se insultem. Não me molhem, ao menos, a mim.
- queremos voltar para a praia.
C - protector solar. Protector solar.
- quero ir ao outro lado da praia procurar o meu amigo.
- quero ir andar de gaivota.
- não quero que ele vá para o outro lado da praia procurar o amigo.
C - Não. Já não há mais nada para comer. E não me atirem areia para o telemóvel.
- não queremos ir já embora.
- quero ir fazer um buraco.
- ainda não joguei à bola.
C - Vistam-se para sair da praia. Vistam-se para sair da praia. Onde é que se enfiou o teu irmão? Não vais para o mar agora. Não, não compro mais gelados.
- Ainda nem sequer é de noite. É ridículo sair da praia durante o dia.
- ya.
C- tirem a areia dos pés. vão tomar banho. Voltem para a banheira. Sequem o cabelo em condições. Essas calças não. Estamos atrasados para jantar.
- tenho fome. Tenho fome. Tenho fome.
- paga a conta. Queremos ir passear.
- não bebas café. Queremos ir comprar gelados.
- vamos. Vamos. Vamos.
- tenho sono.
- dói-me os pés.
- quero ir para casa.
C - lavem os dentes. Não, não podes dormir vestido.
- quero beber leite antes de dormir.
C - Estão proibidos de me voltar a chamar até amanhã às oito da manhã, aconteça o que acontecer.
Claro que ainda sobram perigosos quinze minutos. Aqueles que medeiam entre o instante em que a casa se cala e a minha energia se esgota por completo.
Mas eu nunca fui pessoa de correr riscos. Para esses quinze minutos de ameaçadora nostalgia, trouxe o Zizek. Em Inglês.
Passaram a dois...

terça-feira, 16 de agosto de 2011

"vamos fugir"







dizias-nos quando pairávamos no cansaço feliz.
eu, sorria. porque não entendia fugir de quê.
tu, sempre adolescente. explicavas qualquer coisa com pouco nexo adulto. qualquer coisa rastafári. qualquer coisa assim:


Vamos Fugir
Pra outro lugar, baby
Vamos fugir
To cansado de esperar
Que você me carregue
Vamos fugir
Desse lugar,baby
Ah, Vamos fugir
To cansado de esperar
Que você me caregue
Pois diga que irá
Irajá, Irajá
Pra onde o sol veja você
Você veja-me só
Marajó, Marajó
Qualquer outro lugar comum
Outro lugar qualquer
Guaporé, Guaporé
Qualquer outro lugar ao sol,
Outro lugar ao sul,
Céu azul, céu azul
Onde haja só meu corpo nu
Junto ao seu corpo nu
Vamos fugir
Desse lugar, baby
Ah, vamos fugir
Tô cansado de esperar
Que você me caregue
Vamos fugir
Pra outro lugar, baby
Ah, vamos fugir
To cansado de esperar
Que você me carregue
Pois diga que irá
Irajá, Irajá
Pra onde o sol veja você
Você veja-me só
Marajó, Marajó
Qualquer outro lugar comum
Outro lugar qualquer
Guaporé, Guaporé
Qualquer outro lugar ao sol,
Outro lugar ao sul,
Céu azul, céu azul
Onde haja só meu corpo nu
Junto ao seu corpo nu
Vamos fugir
Desse lugar, baby
Ah, vamos fugir
Pra onde quer que você vai
Que você me caregue
Uma banda de maçã
Outra banda de reggae
Todo dia de manhã
Flores que a gente regue
Pra onde haja um tobogã
Onde a gente escorregue
Outra banda de reggae
Todo dia de manhã
Flores que a gente regue
Pra onde haja um tobogã
Onde a gente escorregue



*letra de um reggae de Gilberto Gil*

in some nights, Versailles just wishes to be a little cottage


segunda-feira, 15 de agosto de 2011

::: khôl :::

"definições » design » alterações » tema de cor principal » não é possível neste modelo"

andei a cismar porque havemos de manter o fundo do stars em preto. é bonito, fica sempre bem e qualquer mulher precisa de um lbd, mas achei que podia ser positivo mudar para um azul-céu ou um rosa-algodão-doce... até um branco OMO cheguei a considerar. só por hoje, para vos pregar um susto à la silly season.

mas não.
"não é possível neste modelo".

estamos presas. neste luto sem riso e de garatujos em branco.


receitas populares contra a melancolia




melancolia (me-lan-co-li-a)
s. f.
Tristeza vaga, indefinida: atingiu-o a melancolia da tarde.
Estado de depressão intensa, traduzindo sentimento de dor moral e caracterizado pela inibição das funções motoras e psicomotoras
In Dicionárioweb



Já se disse demasiado sobre a melancolia e, ainda por cima, quase tudo se resume a afirmações mentirosas destinadas a disfaçar a cobarde derrota dos psicanalistas perante este incómodo e estúpido estado de inquietação.
Nestas alturas, quando a ciência nos falha, há que procurar as soluções junto do povo, esse anónimo e global proprietário do senso comum. Diz, pois, o senso comum, que a única coisa que nos deve interessar sobre a melancolia é a forma de a anestesiar. A saber:
Dar uma martelada num pé que nos faça falta; enfiar duas caixas de prozac no estômago; arranjar um emprego na apanha do morango ou nas vindimas; tomar um purgante; fazer um doutoramento sobre a importância da analogia no direito civil; ir para o Algarve de férias no mês de Agosto sozinha com dois pré-adolescentes; e.t.c., e.t.c.
Apesar da evidente semelhança de resultados expectáveis, optei pela última das soluções em detrimento da primeira, porque tenho o cérebro deformado pelos meus vícios de burguesa e mantenho desconfiança em relação a remédios que não reunam a dupla condição de saberem mal e custarem muito dinheiro.
Partimos os três pela manhã para evitar o imperdoável desperdício que seria perder a fila da hora do almoço no único restaurante da praia. Aquela praia para onde se mudou Lisboa inteira.


Desejem-me sorte e as melhoras.




Sitiada



Sempre tive um estranho fascínio por muros.

Espanta-espíritos

Ficarias surpreendido, tu que apenas me conheces da vigilância angustiada de ampulhetas apressadas, se me visses, em passos tão lentos, deixar cair o tempo, assim.
A tarde dissolve-se no rio espelhado à minha frente e eu gasto-a a ler Virgínia e a pensar, a cada cinco minutos, como seria agradável patinar-se o rio se o pudéssemos congelar para depois nele deixar quatro rastos de um número de pares. Tenho saudades de patinar mas perdi a coragem para o fazer. E é uma daquelas coisas que, simplesmente, sem qualquer razão, sei que nunca mais farei. Também nunca mais montarei um cavalo e ninguém se preocupa com isso.
Ontem queimei um dedo na sopa aquecida no micro-ondas e lembrei-me imediatamente de ti. Só sobraste tu para eu me lembrar porque todos os outros foram expulsos das minhas memórias, exilados da minha cabeça, aprisionados no vácuo da felicidade artificial. Condenados pelo crime da mentira, da crueldade e da ingratidão. Sobraste tu que não tiveste tempo para me mentir, oportunidade para ser cruel ou graça que desprezar.
Se aqui estivesses terias olhado para mim daquela maneira cómica, com as sobrancelhas torcidas, que fazias sempre que me vias cometer uma inabilidade qualquer. Dir-me-ias que abaixo do Tejo as mulheres sabem, ao menos, aquecer uma sopa no micro-ondas sem se queimarem. Depois lembrar-me-ias que aquilo que eu precisava mesmo era de encontrar um marido palerma que me sustentasse, tratasse da casa e me fizesse as vontades todas.
Hoje concordaria contigo.
Fecho o livro da Virgínia e deito a cabeça na relva húmida. Não há uma única nuvem no céu. Olho para o pulso onde, pela primeira vez em oito anos, vive um relógio. Branco. Ainda tenho tempo para mais uma memória.

Ainda bem que só me sobraram as tuas.

da condição de humano

a asfixia é a insuficiência de oxigenação sistémica devida ao baixo teor de oxigênio no ar ambiente ou a obstáculo mecânico à respiração: o processo de estrangulamento, ao contrário do que vulgarmente se pensa, não parte ossos, mas provoca asfixia por não permitir o movimento dos músculos da caixa torácica.

tem várias causas: afogamento, enforcamento, paragem dos músculos respiratórios, envenenamento, aspiração de substâncias nocivas ou broncoaspiração.

isto vale para os animais.

no caso particular dos humanos, é também causa de asfixia a relativa proximidade de outro ser da mesma espécie. frequentíssima. o que só não acontece quando, em vez de só andar de bilhete na mão a ver os outros, dois indivíduos resolvem dar uma voltinha no rollercoaster...

sábado, 13 de agosto de 2011

he's back

acordei falsamente bem disposta, antes do despertador, como de costume. agora durmo menos. muito menos. e é curioso não acordar com olheiras.

fui ver e o tempo não está para praia, todo o céu é um cinza espelho brilhante. ainda sentia o orvalhar nos braços.

pesei-me ontem e desci a barreira dos 46,5. fingi importar-me.

resolvi ir tomar o pequeno almoço sozinha. grande asneira.

a minha cabeça parece um funpark com todos os brinquedos a funcionar em simultâneo. as músicas trocadas, plissadas, os palhaços, a nuvem gigante de algodão doce. as luzes a piscar numa cadência mais forte do que a que os meus olhos aguentam.

e a lagarta de cartola à espera dos 50 cêntimos para chocalhar-se toda debaixo de uma criança. enquanto a empregada foi buscar o galão e o pão com manteiga, fi-la sofrer: 50 cêntimos para se abanar toda sem os 15 quilos de carne em cima. os olhos piscaram de gozo enquanto a ladaínha fanhosa tocou. a volta de lagarta durou 37 anos e deixou ma mancha no meu pulmão esquerdo.

engoli a comida, o fim já em desespero. chegava mais gente ao café e eu não ia suportar. paguei a mais, não me virei quando gritaram da porta dizendo que faltava o troco. atravessei a rua carregando uma pedreira inteira dentro do peito e cheguei à porta de casa já de quatro, os joelhos esfolados.

o elevador subiu 3 anos luz numa lentidão sufocante. no 1 e no 2 o pânico da paragem e a possibilidade de ter que fazer o sorriso amarelo inerente à condição de vizinho.

fechei a porta atrás de mim e entrei aos tropeções pela casa, a tentar lembrar-me onde havia escondido a caixa de mim mesma. não o parti a meio. foi inteiro.

i hope i can make it through the day. o horóscopo alerta para gastos desproporcionados. vou às compras.




berlin means nothing to me

i’ll never make it tonight.
no trapeze on full-moon nights.
not the last time, the very last time.
i have to wake up from this dream.
the circus is over.
all over.

once again night falls inside my head.
fear…
why not die?
sometimes, beauty is the only thing that matters.

to look in the mirror is to watch yourself think.
so what are you thinking?
i think i still have the right to be afraid, but not to talk about it.

you haven’t gone blind yet. your heart is still beating.
and now you’re crying.
you’d like to cry like a very sad little girl.
do you know why you’re crying? for whom?

not for me. i don’t know anymore.
i’d like to know. i know nothing.
i’m a little afraid.
it’s gone already. all gone.

it’ll come back…

it doesn’t matter.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

o sol matou a lua. when one loses the ability of being amazed

Marmelada de banana e sacis com próteses

Um dia houve espelhos. Mobílias trabalhadas. Veludos encarnados. O peito nu da dona da casa emoldurado em talha dourada. As tais das tábuas de madeira verdadeira. Janelas que dão para o rio. Uma cozinha com bancadas de mármore. Branco. O cheiro de compota na cozinha. O cheiro de rosas na sala. O cheiro da manhã no quarto. Todas as coisas nos seus precisos lugares. A dona da casa de vestido de seda verde e bracelete com flores de ouro desenhadas. Cabelos escorridos enfeitados por fitas estreitas. Umas mãos enormes a segurar um jornal e uma chávena de chá de frutos silvestres. A voz do homem da casa a declamar notícias como quem anuncia Byron. Um braço que se deixa cair sobre um pé descalço e lhe toma a temperatura. Cenas domésticas de perturbadora felicidade feita das harmonias impossíveis.
Mas uma manhã chegou a guerra.
E uma bomba fez estilhaçar os espelhos e quebrar as mobílias e arrancar as tábuas e cobrir de negro o óleo dos quadros e substituir todos os cheiros da casa por um omnipresente cheiro a pólvora e a carne queimada.
A casa abateu-se numa cratera. O rio secou de tristeza. Os donos foram cuspidos por um fragmento de bomba.
Ficou o fumo negro que suja e, por baixo do fumo, um imenso deserto poluído onde nenhum ser vivo conseguirá medrar.

Tatuagens II


teorias

- és mesmo tu naquelas fotografias.
- como "mesmo eu"!?
- mesmo tu. como me lembro de ti. e gosto do vestido.
- obrigada.
- se o trouxeres quando me vieres ver, sou um homem feliz...
- tonto... posso levar...
- e os brincos. são compridos, não são? gosto...
- são. são várias borboletas pequeninas.


hoje tentei lembrar-me do desenho da tua orelha. não consegui. conclui que se começa a esquecer um homem pelas orelhas. e sorri. havias de sorrir também, tu que adoravas as minhas teorias.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

giving up.



até a ciência já provou que é relativo... mas tu continuas a querer fazer do amor uma equação exacta. conforma-te: não há respostas. nem resultados certos. é um roller coaster diabólico com curvas apertadas e loopings e descidas a pique. e sim. corre-se o risco de ser cuspido do assento.


vais passar a vida de bilhete na mão lá em baixo só a ver os outros a gritar de êxtase ou vais entrar?


Tatuagens I


Post sobre sapatos, excepcionalmente não acompanhado de um texto de Nietzsche















Don´t fly to London, Fly London instead.


Uma vez que os ingleses transformaram o meu projectado destino de férias da próxima semana no Afeganistão Europeu, substituí o vôo para Londres por umas Fly London.

Não têm o charme de umas Jimmy Choo, é certo. Mas ao fim de três dias continuo a ter vontade de dormir com elas. Uma sensação rara.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

dos tesouros nos roupeiros

dizem que arrumar o roupeiro traz boas vibrações. que espanta maus fluidos, que faz bem livrar-nos das roupas, malas e sapatos que já não têm a sorte de vir connosco para a rua. devem sair porque de outra forma ficam ali, naquela caixa de madeira ao alto. a apodrecer. como cadáveres. parece-me consensual que ter defuntos em casa não é boa onda.

pelo que, no interim desta vida de neo-nómada que escolhi, hoje foi dia de organizar vestidos (no sentido lato da palavra).

já três cadeiras da sala de jantar seguravam, aflitas, as tristes peças mortas de mangas a pingar para o chão quando passei às caixas das malas. tinha um objectivo: as não usadas há mais de duas temporadas iam para braços diferentes dos meus, sendo a única restrição a mesma que se faz aos vestidos de festa, aos casacos de inverno, e aos sapatos: aqueles que são investimento, ficam.

encontrei uma mala de pele tostada Miguel Vieira, do tempo em que o Miguel vinha connosco beber um copo ao Pé de Salsa e ainda não desenhava sapatos brancos e bicudos para homem. para além de assumir-se como investimento, é bonita e muito seventie’s, pelo que fica com a dona e vai sair para dar umas voltinhas ainda este Verão.

abri (porque encontro sempre qualquer coisa dentro de malas guardadas) e encontrei isto. não me perguntem a razão de as pessoas se apaixonarem. não sei porque acontece. mas quando acontece, é assim:

“saberás porventura que não é suficiente o tempo,
e que será logicamente curta a vida,
para que nela percorramos por inteiro este país de entrega, de nudez,
o território de sintonia que trazemos pelo coração?

saberás…?

soube essa certeza um outro dia, num acaso de tempo que assim nos transtorna,
enquanto se escurecia o céu, num esgotamento.
soube que assim não serão suficientes os dias e todo o brilho prateado agregado nas luas.
que não serão suficientes as horas, pois nelas não se dividem em suficientes, os minutos.
e que assim, não chegarão as palavras que haveremos ainda de trocar,
e desse modo tornar mais extensa, a língua tão circunscrita dos dicionários.

soube pois que será o conceito de segundo que nos conduzirá à morte
– à minha ou à tua morte, a morte de ambos –
aborrecendo-nos de sobremaneira esse simples facto, por tudo ter sido tão magnificamente fulminante.
sei que nos causará também aborrecimento esse fim,
por não podermos alongar um pouco mais esta nossa luz.
e nesse acaso fulminante, escurecido,
compreendi que a eternidade das coisas nossas
começou no exacto segundo em que por mim te cruzaste,
trazendo já a marca sábia das teocracias:
a do destino infinito.

e fora assim, já em eternidade, o nosso encontro…

a eternidade és tu, sou eu,
são todas as horas que consigamos imaginar por cada segundo,
e na paixão iludir a monotonia cansada dos dias, inventando impossíveis,
arquitectando novas medidas para nelas aferir um curso mais pausado do tempo…”


sábado, 6 de agosto de 2011

Odeio o amor

Gloria Victis, de Antonin Mercié



“Em resumo, nos termos do filósofo francês Gilles Deleuze: Si vous êtes pris dans le rêve de l’autre, vous êtes foutu (“quem se deixa apanhar pelo sonho do outro, está lixado”); ou como Neil Gaiman, o autor do romance de banda desenhada The Sandman, escreveu numa passagem memorável:
Estiveste alguma vez apaixonado? É horrível, não é? fica-se tão vulnerável? Ficas com o peito e o coração abertos e outra pessoa pode entrar dentro de ti e revolver-te por dentro. Constróis todas essas defesas, constróis uma armadura que te cobre de alto a baixo para que ninguém te possa ferir, e depois uma pessoa estúpida, igual a qualquer outra pessoa estúpida, atravessa-se na tua estúpida vida… Dás-lhes um bocado de ti. Não to pediram. Fizeram um dia uma estupidez qualquer, como beijar-te ou sorrir-te, e a tua vida deixou daí em diante de ser tua. O amor faz reféns. Entra dentro de ti. Come-te e deixa-te a chorar no escuro, e é assim que uma simples frase do tipo “talvez devêssemos ser só amigos” se transforma num estilhaço de vidro que te vai direito ao coração. Dói. Não é só na imaginação. Não é só mental. É uma dor da alma, uma dor real que te invade e te rasga e te parte. Odeio o amor.”


Slavoj Zizek, in Violência, Relógio de Água

devolve-me, ao menos, o sono

Cinco noites. O tempo que a insónia demorou a descobrir-me nesta cidade. Veio sentar-se aos pés da minha cama. Ficou a velar-me a angústia. Um desfile de mesquinharia que de dia é invisível e de noite é um monstro que ameaça engolir-me. Ficou a olhar-me de soslaio. E eu a fechar os olhos com força na esperança de deixar de ser vista. A fugir do quarto numa bicicleta. Azul. A pedalar na direcção do rio. A perder-me no nevoeiro. Sem farol. A bater de encontro à porta daquilo que acho que foi a nossa casa.
Cinco noites. O tempo que o teu fantasma demorou a descobrir-me nesta cidade. Veio abrir-me a porta de casa. Empurrar-me pelos corredores até ao quarto. Azul. Da cor dos lençóis onde já não há rugas que são trilhos de corpos. Lençóis esticados pela ausência. Ficou a olhar-me de soslaio. E eu a abrir os olhos para não sentir. O bafo gelado da tua memória incrustado na minha nuca.
Esta cidade é o teu sepulcro. Não admira que eu seja incapaz de dormir dentro dela.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Meninas de cabelos azuis e seus irmãozinhos de nariz comprido

"Então teve uma espécie de triste pressentimento e pôs-se a correr com todas as forças que lhe restavam nas pernas, e viu-se daí a poucos minutos no meio do prado onde estava dantes a Casinha branca. Mas já não existia a Casinha branca. No lugar dela havia uma pequena lápide de mármore onde se liam em caracteres de imprensa estas dolorosas palavras:
AQUI JAZ A MENINA DOS CABELOS AZUIS MORTA DE DOR POR TER SIDO ABANDONADA PELO SEU IRMÃOZINHO PINÓQUIO”.




in, As Aventuras de Pinóquio, Carlo Collodi.


Passei o dia deitada num relvado da minha Lisboa, aquela que tem vista privilegiada para a ponte Vasco da Gama, com duas crianças que, em turnos rotativos de meia hora, me leram as aventuras do Pinóquio, de Collodi.
Esta discreta exploração da mão-de-obra infantil, além de ser uma razoável e económica alternativa ao áudio livro – só custa o preço de duas pizzas, alguns gelados e umas quantas garrafas de água – tem a vantagem de trazer incorporada, além da mais honesta e perspicaz crítica literária, a análise do perfil psicológico do autor.
Nenhum outro método de leitura me teria feito perceber que a dado passo Collodi se engana, e depois de explicar que o burro foi atirado ao mar preso por uma pata, refere que o mesmo asno havia sido preso pelo pescoço.
Por outro lado, a cerca de dois terços do livro já os meus pequenos leitores estavam em condições de concluir que Collodi era, de acordo com a de doze anos, um psicopata reprimido e, na visão do de nove, um tarado violento.
A melhor qualidade das crianças é a sua desassombrada lucidez.
Pensando nisto, parece-me que deve ser qualquer coisa que se perde quando a menina de cabelos azuis é abandonada pelo seu irmãozinho Pinóquio e a tal da Casinha branca dá lugar à lápide de mármore.

cat people

da varanda da tua casa vê-se a cidade do alto, como se fosse um avesso das ruas. por costuras, as linhas de iluminação pública.
comentávamos que se apagassem as luzes todas não conseguirias voltar para casa. que não sabes orientar-te pelas estrelas (e por isso desististe da vida no campo).


de olhar vazio. sempre. como nas fotografias em que colocas o teu sorriso como um autocolante. sempre à parte. desinteressado. o enfado dos dias. e das pessoas.

os gatos movem-se pelo entusiasmo. seja de que for: entusiasmo de fome. de caça. até da melancolia solitária de um fim de tarde no parapeito de uma varanda. como esta.

por vezes, nem o sorriso te enche os olhos.
o que é feito da tua história?

até estavas embalado na conversa; mas subitamente cortas-me o miado.

de regresso da cozinha, apareces com um pires numa mão e uma garrafa de leite na outra. serves-me, sério. fechas o janelão devagar sem desviar o olhar, como quem aplica um castigo.


eu sei onde vais. onde estás. agora.

quando voltas e espalhas a tua pele toda na cama, ignoras as minhas patas e focinho contra o vidro.
por hoje chega. salto. vou vadiar.