terça-feira, 16 de maio de 2017

A papoila

Quando partir, pensei, se alguma vez conseguir partir, pensei, quem reparará naquela única papoila que todos os anos nasce no mesmo canteiro em frente à minha porta? Quando já não estiver aqui para numa qualquer manhã de março ser surpreendida pelo regresso da mesma e única papoila, pensei, como farás para que me lembre que exististe em mim?

6 comentários:

  1. Eu, eu repararei, adoro papoilas!
    No entanto, atendendo à complexidade da pergunta e consequente incapacidade de resposta, não será melhor ficares?
    Olá, Cuca :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Cláudia.
      Talvez seja melhor ficar. Se partir, semearei uma papoila à frente de uma outra porta.

      Eliminar
  2. Eu envio-te pardais com palavras simples no bico.
    Alimenta-os com aveia...já agora...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alimentarei. Com a melhor aveia que conseguir encontrar.

      Eliminar
  3. - Voltarei sempre, numa qualquer manhã de Março, para que nunca te esqueças, respondeu a papoila.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E será que se pode confiar nas promessas das papoilas?

      Eliminar