domingo, 9 de julho de 2017

No céu de julho

Mas depois anoiteceu e foi o teu nome que apareceu inscrito no céu. Sob as esquinas dos sem abrigo, nas varandas das famílias, nos telhados dos gatos e até nas montanhas desertas. O teu nome desenhado a luz. Graffitti inapagável. Segredo gritado. Mancha insultuosa. 
O teu nome inscrito no céu de julho. 

6 comentários:

  1. Certo dia, era eu criança, dei por mim à noite em casa, no escuro a olhar para um céu estrelado de verão e a interrogar-me sobre a razão pela qual, embora nele não avistasse qualquer nome ou augúrio assim tão pujante, as constelações me parecessem sempre diferentes daquilo que aprendia na escola.
    A Ursa Maior tinha mais uma pata, o cinto de Orion tinha mais furos do que o previsto e por aí em diante. Aquilo afligia-me não porque questionasse a minha memória, mas pela noção de que o céu podia estar a mudar e ninguém estivesse a dar por isso, senão eu.

    Uns dias depois de repetir o mesmo ritual, preocupado, mas ainda naquela situação de criança de não querer avisar os adultos por falta de credibilidade infantil, resolvi ir à mesma janela durante o dia.

    O que descobri resultou em tranquilidade, mas também algum desapontamento, visto que não descobri a matéria de que são feitas as estrelas mas fiquei a saber que a quinta pata da Ursa e o furo extra do Orion eram feitos de pequenos mosquitos esborrachados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. quer isso dizer que, no fundo, no fundo, é apenas uma questão de se lavar os vidros das janelas :)))
      Parece-me uma história perfeita!

      Eliminar
  2. isto estava mesmo a pedir música: marisa gata mansa e a lembrança de todos os boleros e sambinhas que vão ficando por dançar.

    Não faça ideias erradas de mim
    Só porque eu quero você tanto assim
    Eu gosto de você, mas não esqueço
    De tudo quanto valho e mereço
    Não pense que se você me deixar
    A dor será capaz de me matar
    E um verdadeiro amor não se aproveita
    E não se faz senão aquilo que enobrece
    Depois, se ele se vai, a gente aceita
    A gente bebe, a gente chora, mas esquece

    https://www.youtube.com/watch?v=99q2TgYsscs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que coisa tãooo boa, Noodles.
      Bolerinho maravilhoso.

      Eliminar